Estamos no WhatsApp.
 Português  English 
Carrinho de compras

Um leve e delicado detalhe com muito peso

Por Cris Gurgel em

As bolsas DG da linha India Naiá têm franjas características que carregam muitas histórias. São produzidas em trabalho coletivo de comunidades rurais do estado do Espírito Santo. Vamos, nesse breve texto, contar alguns detalhes desse processo.

Sustentabilidade é a palavra de ordem do momento. Mas qual é seu verdadeiro sentido e impacto no segmento de moda?

Criar design sustentável significa resgatar técnicas artesanais com qualidade, valorizar mão de obra capacitada, reciclar materiais, realçar aspectos funcionais e preservar o meio ambiente. Mas, sobretudo, é desenvolver uma nova mentalidade quanto aos processos criativos e produtivos, ressignificando ideias, comportamentos, hábitos de consumo e, principalmente, adotando um novo estilo de vida.

 

 

A capixaba Jacqueline Chiabay foi proprietária de uma conceituada marca homônima de vestuário de couro. Sempre preocupada com os retalhos que sobravam em sua confecção, não se conformava em descartar material tão nobre e caro. Focada nesse desperdício, idealizou nos anos 2000, seu ateliê “Couro&Tramas”, no qual, muito antes da “sustentabilidade” entrar na moda, Jacqueline  - a artesã e autodidata - já desenvolvia técnicas e métodos para o reaproveitamento de resíduos da indústria da moda. 

Além do reuso de matéria-prima, a designer promove um trabalho social nas comunidades rurais do estado do Espírito Santo, no qual reúne donas de casa, aposentados e pessoas que desejam gerar algum tipo de renda extra, para desenvolver suas criações. O primeiro passo do processo é encontrar pessoas que queiram se envolver com esse tipo de trabalho; a seguir, é necessário capacitá-las, ensinando técnicas artesanais tradicionais como crochê, tricô, macramê, entre outras, necessárias para a produção das peças. Desse modo, agregando, capacitando e valorizando novos talentos, geram-se produtos “com alma própria” bastante diferenciados, aproveitam-se matérias primas que seriam desprezadas e gera-se importante oportunidade de trabalho. 

 

 

Atualmente, Jacqueline forma grupos por habilidades. Há pessoas envolvidas na coleta, outras na preparação dos retalhos de couro, cortados à mão com tesoura, em fios e tiras, outras preparam novelos ... Assim, com trabalho riquíssimo e genuinamente sustentável, são produzidas peças de design, verdadeiras obras de arte, como as franjas usadas em algumas bolsas da linha DG e diversos outros produtos para diversas empresas de moda e decoração.

A marca Denise Gerassi tem muito orgulho em fazer parte desse ciclo tão importante e necessário nos processos produtivos, utilizando e estimulando a parceria na criação de peças com o ateliê “Couro&Tramas”. 

No entanto, há um grande desafio que deve ser encarado com sabedoria e maturidade. Empresas que compram maior volume de bolsas para revender imaginam receber peças exatamente iguais. Nem sempre valorizam pequenas diferenças que fazem toda diferença. As franjas produzidas pela Dona Maria que se emociona com sua produção, são um pouco diferentes daquelas produzidas pelo Durval, aposentado, que ansiava ocupar o tempo e reforçar seu orçamento.

Nossas peças, felizmente, têm leves diferenças e chegam até a ter pequenas imperfeições, fruto desse trabalho artesanal exclusivo. Valorizamos isso e acreditamos que você também valorize. 

Por Cris Gurgel
Jornalista e consultora de moda. 20 anos pesquisando e interpretando tendências em acessórios, desenvolvendo conteúdos de moda.

Posts antigo Novos posts